sexta-feira, 29 de maio de 2015

O 6 dos Melhores Países para Trabalhar!



Quais são os melhores países para trabalhar?! 
Esta deve ser a pergunta mais colocada pelos milhares de portugueses que todos os anos pensam em emigrar.
Quer sejam jovens licenciados que não encontram saída profissional, quer seja para os milhares de desempregados que todos os anos vêm-se com o problema de não conseguirem trabalho aqui em Portugal, emigrar pode ser a solução.
Não é de agora. Na realidade, Portugal é um país de emigrantes. A nossa história é feita de e por pessoas que partiram além-fronteiras; aventureiros que navegaram para lá do desconhecido; homens e mulheres que arriscaram e foram em busca de vidas melhores.(E-Konomista.pt, 2015).
As estatísticas revelam que nos últimos anos centenas de milhares de portugueses emigraram (INE, 2014). As razões são claras: a crise económica que o país atravessa e os elevados números do desemprego.
A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE, 2015) divulgou já este ano os dados do Índice para uma Vida Melhor. Este ranking analisa vários critérios tais como: escolaridade, habitação, cuidados de saúde, emprego, etc.
O ranking permite obter diferentes resultados, mediante a inclusão de critérios distintos……e ,  mudar de país, mesmo que seja para trabalhar, a vida poderá ser  “afetada” pelas restantes variantes (E-Konomista.pt, 2015).
 Assim, segundo os dados da OCDE, os 6 melhores países para trabalhar são os seguintes:

  1. AUSTRÁLIA
O “país dos cangurus” ocupa o lugar cimeiro da lista. Segundo o relatório da OCDE, a Austrália é o país que oferece as melhores condições de vida e de trabalho. Com um salário médio de 622,20 dólares australianos por semana (cerca de 460,42 euros – o que perfaz um total aproximado de 1900 euros mensais) a Austrália é considerado um dos países mais felizes do mundo e com a melhor qualidade de vida.

  1. NORUEGA
Os bons salários e os elevados níveis de segurança são apenas alguns dos fatores que colocam a Noruega no topo da lista.

  1. SUÉCIA
Trabalhar na Suécia é sinónimo de boas condições de trabalho, segurança e flexibilidade. Se a isto juntar o facto de ter um dos índices de pobreza mais baixos do mundo, pode facilmente perceber o que torna este país tão atrativo.

  1. DINAMARCA
Considerado o país mais feliz do mundo, a Dinamarca é um dos países da Europa com a menor taxa de desemprego. Embora não seja difícil encontrar um emprego no país, é importante ressalvar que – ainda que regra geral os dinamarqueses sejam fluentes em inglês – valorizam o uso e domínio da língua dinamarquesa.

  1. CANADÁ
À semelhança dos exemplos anteriores, também no Canadá os salários são elevados. A título de exemplo, para um licenciado em início de carreira, os salários são cinco a seis vezes superiores aos de Portugal e estão “sujeitos” a aumentos, mediante a experiência profissional demonstrada. 

  1. SUÍÇA
A Suíça é um dos países de “eleição” dos emigrantes portugueses e apresenta uma das taxas de desemprego mais baixas da europa, a par de um dos salários mínimos mais elevados.
 Na Suíça não existe um salário mínimo definido por lei, no entanto, os salários variam entre 2800 e 5300 Francos Suíços (cerca de 2300 e 4400 euros) para trabalhos qualificados; e 2200 e 4200 Francos Suíços (1800 e 3500 euros) para trabalhos não qualificados.
E Como escolher o melhor país para trabalhar?
Escolher um país para trabalhar requer uma análise ponderada. No entanto, entre os motivos apontados para quem pensa sair ou já saiu do país, destacam-se a procura de melhores condições de trabalho ou maior segurança no trabalho.
Mas para quem pretende emigrar, a escolha não deve resumir-se apenas aos melhores países para trabalhar. Mudar de país é muito mais que alterar rotinas de trabalho. Por isso, esta mudança deve basear-se numa análise extensiva sobre o que oferece o país de destino.
Antes de se decidir, pesquise e informe-se devidamente sobre as condições de vida do país para onde tenciona emigrar. O ideal será que o país eleito lhe possibilite encontrar um ponto de equilíbrio ente o trabalho, a sua vida privada e/ou tempos livre.  Mas há mais, tenha também em consideração as condições em termos de cuidados de saúde, educação ou custos de habitação. (E-Konomista.pt, 2015).
 Para a Melhor Escolha!
Antes de partir pare para ponderar as suas hipóteses. Analise cuidadosamente as ofertas de emprego na sua área, as condições que lhe são oferecidas, os preços de habitação, as questões legais e burocráticas, etc. Deve ter em atenção que, por exemplo, se pensar emigrar para países fora da União Europeia, deve solicitar vistos de autorização para entrada no país.

Pode parecer difícil, mas o seu maior desafio será talvez deixar a sua vida para trás. Mas não desespere, vivemos num mundo global onde as distâncias são encurtadas e as diferença (quase) minimizadas.(E-Konomist, 2015)

Para o ajudar a analisar as suas hipóteses não deixe de consultar o Índice Para uma Vida Melhor da OCDE e, caso decida avançar com uma mudança, escolha aquele que representa para si o melhor país para trabalhar.
Aceda AQUI ao meu Projecto Online em Internet Marketing
 Um abraço
Luísa de Sousa

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Uma magnífica tarde de sol!

Ontem decidimos reunir alguns elementos da nossa equipa da Ilha da Madeira e trabalhar um pouco ao ar livre, num dia de sol, com uma vista magnífica.
E estamos a trabalhar….mas não num trabalho qualquer!
Decidimos reunir depois do almoço para tomar um café e partilhar ideias e conhecimentos.
Nós não temos um trabalho qualquer…. não trabalhamos em ambientes fechados 7,8,9 horas por dias.
Trabalhamos onde queremos!
O nosso trabalho é diferente do trabalho da maioria das pessoas…por isso dá-nos esta liberdade para decidirmos o que fazer!!
Porque trabalhamos em qualquer sítio, qualquer lugar, deste que tenhamos um computador e acesso à Internet.
Basta só isso….e decidimos as nossas horas de trabalho e o lugar para trabalhar….
Não é maravilhoso?
Ter esta liberdade de decisão?
Mas esta liberdade está ao alcance de todos!!!
Poderá consultar a minha página informativa
VENHA MUDAR A SUA VIDA ……. PORQUE
Por maior que seja a minha equipa, nunca é suficiente o número de Vidas que Podemos Mudar

Um grande abraço 
Luísa de Sousa


quarta-feira, 27 de maio de 2015

6 Hábitos das Pessoas Felizes!




Quem não quer ser feliz?
Tudo o que fazemos desde que acordamos até adormecer é com o desejo de sermos felizes!
Buscamos diariamente a fórmula milagrosa que nos leve àfelicidade.Todos a querem, mas – pelo menos aparentemente – apenas alguns a alcançam.
A verdade é que se quer ser feliz tem que “trabalhar” para isso.As suas relações, a sua carreira ou as suas atitudes podem ter uma forte influência na sua felicidade.
Quem o diz é Martin Seligman, pai da psicologia positiva, que defende que 60% da felicidade é determinada pela genética e pelo ambiente e os restantes 40% dependem de cada pessoa.
Conheça agora os 6 hábitos das pessoas felizes. (Revista Online E-konomista.pt, 2015)

  1. ESTAR RODEADO DE PESSOAS FELIZES
Quem está rodeado de pessoas felizes, positivas e motivadas tem mais probabilidades de alcançar a tão desejada felicidade. Otimismo gera otimismo. Boa disposição gera boa disposição. Felicidade gera felicidade. Simples. Comece por aqui e está no bom caminho.

  1. PERCEBER QUE SUCESSO PROFISSIONAL PODE NÃO SER SINÓNIMO DE REALIZAÇÃO
Nem sempre ter a carreira que sempre sonhou, garante que se sinta realizado profissional e pessoalmente. Para que isso aconteça tem que ser capaz de encontrar um ponto de equilíbrio entre as duas vertentes da sua vida e só vai ser capaz de “trabalhar” para encontrar este balanço se estiver consciente desse facto.

  1. ACEITAR QUE VÃO ERRAR
Esta é uma das características das pessoas de sucesso. Enquanto a grande maioria das pessoas faz de tudo para não fracassar (não errar), as pessoas felizes aceitam que os erros vão ser uma constante ao longo da sua vida e encaram os fracassos como um fator de motivação e uma ferramenta de aprendizagem. Isto é, veem as coisas pelo lado positivo.

  1. FAZEM EXERCÍCIO FÍSICO
Já diz o ditado: “mente sã em corpo são”. As pessoas felizes praticam desporto. Qual? Não importa, o que interessa é que se exercite. O exercício físico ajuda a libertar o stress, a diminuir a ansiedade e a aliviar os sintomas de depressão, ou ainda contribui para melhorar a sua saúde e melhora o seu estado de espírito. Razões para começar já não faltam.

  1. ENCARAM OS PROBLEMAS COMO DESAFIOS
As pessoas felizes não enfrentam problemas, mas sim desafios. Ou seja, encaram as dificuldades ou obstáculos como oportunidades de melhoria para a sua vida (profissional e pessoal).

  1. MOSTRAM A SUA GRATIDÃO
Regra geral, as pessoas felizes são gratas pelo que têm e não se inibem de o mostrar. Esta capacidade ajuda-os a gerar emoções positivas e, consequentemente, a tornarem-se pessoas mais otimistas e capazes de lutar e atingir os seus objetivos. Um verdadeiro efeito “bola de neve”.

PARA SER  FELIZ!
A sua capacidade para ser feliz depende em muito da sua vontade de ser feliz. Se quer mesmo ser feliz, comece por adotar uma nova atitude.

Aceda AQUI ao meu projecto Online e tenha os 6 hábitos das pessoas felizes.
Um abraço
Luísa de Sousa

segunda-feira, 25 de maio de 2015

O Budismo é para todos!




Quem busca o bem-estar e o auto conhecimento fica logo encantado com a filosofia budista.
Esta filosofia não promete milagres, prega valores como a ética e o desapego e mostra que tudo é importante para a evolução espiritual, que deve ser abraçada aqui e agora.
Segundo a budista Yvonette Gonçalves (São Paulo), a salvação não vem de lá de cima, do céu, ou de algum elemento superior fora de nós. A salvação vem de dentro de nós, do auto conhecimento.
Actualmente o budismo atrai pessoas de todos os cantos do mundo, de outras religiões até mesmo ates convictos, sendo 379 milhões de adeptos declarados (sem contar com os simpatizantes).
Um dos princípios fundamentais do budismo é o desenvolvimento de uma atitude de compaixão ou benevolência, de amor, e de comunidade com todos os seres vivos, sem ferir, ofender ou depreciar nenhum deles.
Muitos mais do que uma religião, os ensinamentos de Buda são encarados como uma filosofia de vida que nos ajuda a perceber a “impermanência de tudo o que existe” e, desse modo a lidar melhor com as transformações, desafios, doenças, perdas e outros problemas.
E combinando práticas eficazes como a meditação e yoga, com uma ética que engloba o respeito por si mesmo, pelos outrose apor todos os seres vivos, o budismo oferece aos seus seguidores a “perspectiva de superação do sofrimento”.
“O primeiro passo consiste em parar e olhar para si próprio” – Yvonette Gonçalves.
Os principais ensinamentos de Buda são as “quatro verdades nobres”: estas 4 verdades afirmam que “o sofrimento é inevitável e a sua origem vem do apego excessivo aos desejos; para superar o sofrimento, deve-se eliminar o apego; elimina-se o apego por meio de práticas correctas.
Tais práticas compõem um amplo leque de opções que vão desde a recitação de frases poderosas (mantras) à meditação, do estudos dos textos tradicionais ao trabalho em beneficio dos outros.
Deve-se procurar as práticas que mais se ajustam à nossa vida, ao nosso carácter, disponibilidade e personalidade e temperamento.
Desapego e Mudança – Encarar de forma positiva as transformações, as doenças e as perdas é um dos principais benefícios da prática budista. Este é o conceito de “impermanência”, um dos ensinamentos de Buda. Esta ideia coloca-nos no momento presente e mostra que os valores que tanto prezamos são transitórios. Que nada nos pertence.
Vivemos constantemente pensando no ontem, no amanhã e esquecemos de dar atenção ao hoje, àquilo que realmente se está a passar neste momento e a quem está ao nosso lado neste momento. Entendendo este conceito, ficamos mais tolerantes e passamos a valorizar todos os segundos, vivendo cada dia como se fosse o último.
O conceito de “impermanência” é aquilo que se transforma a cada instante, e se tivermos a compreensão correcta não sofremos tanto diante das mudanças, aceitando a realidade tal como ela é: o” resultado de uma transformação natural e contínua”.
Aqui e Agora – Algumas práticas do budismo, especialmente as das “correntes tântricas” como a Vajrayyyana, são radicais e poderosas. O “budismo tântrico diz que a perfeição não é alguma coisa que nos aguarda no futuro distante, mas um objectivo a ser alcançado imediatamente”. – Bel César.  Segundo o Tantra, o céu é aqui e agora!”.
O tantrismo propõe um conjunto de técnicas para “acelerar a evolução humana”.
Uma delas é a visualização de imagens de deuses e deusas. Tais figuras não se referem a poderes externos, diante dos quais nos curvamos, mas a forças actuantes no nosso interior.
Vivemos sobrecarregados de conceitos limitadores, do tipo “coitado de mim”, “a vida é assim mesmo”, “tenho que me resignar” etc., etc., .
Mas do ponto de vista tântrico, cada “homem e cada mulher é um ser completo, possuindo no nosso interior a energia do deus e da deusa, do masculino e do feminino. É apenas uma questão de aceder a esse potencial”- Bel Cesar.
Acção Quotidiana – Para os sábios orientais budista, no que se refere ao sofrimento, o conta é a “acção correcta no dia-a-dia”, fazer o que precisa ser feito, tão simples quanto isto., mostrando que não existem soluções mágicas para o eliminar.
Para nós, ocidentais, mergulhados num mundo de competição e consumo, não é fácil viver de acordo com com noções como“impermanência e desapego”, afinal não fomos educados para tal e trazemos anos de uma bagagem emocional incutida por uma sociedade de não preza estes valores.
Mas vale sempre a pena tentar a prática do Budismo, sei que para isso levar a vida de um monge.
A prática do Budismo não é como um curso que se compra de 10 ou 20 lições, mas um caminho para a vida.
Basta adaptarmos alguns dos conceitos acima expostos, alguma meditação e concentração, a prática de yoga e já teremos uma boa qualidade de vida.
O Budismo sempre esteve presente na minha vida, é uma filosofia que sempre me despertou muito interesse, pela forma como nos “responsabiliza” pelo nosso estado actual, levando-nos a agir no imediato.
Mas confesso que, apesar de gostar e tentar aplicar diariamente os seus ensinamento, faltava-me o tempo de concentração, pois encontrava-me envolvida e presa a uma situação profissional que não me dava espaço nem liberdade de conseguir ter o discernimento para os aplicar.
Depois de iniciar este projecto em Internet Marketing, tenho tempo disponível para ler, estudar os ensinamentos de Buda, através das suas escrituras sagradas e colocar em prática tudo o que aprendo. Tudo isto aliado à prática de meditação e yoga.
Desde então a minha vida ganhou outro sentido.
Um abraço
Luísa de Sousa

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Como usar o medo para se tornar mais forte?



Como usar o medo para se tornar mais forte?
Existem muitos conceitos por aí, de gurus de auto ajuda, de livros, de conselhos tirados da internet para sermos “destemidos” com tudo e todos.
A própria palavra “destemido” parece evocar cenas de pessoas desafiando tudo o que aparece e que nos faz frente.
A verdade é que nem vale a pena tentar não temer coisa alguma – nem vale mesmo a pena tentar!
Todos, mas mesmo todos, todas as criaturas sentem medo, desde ao mais pequeno insecto ao mais poderoso presidente.
“O medo é intrínseco à natureza humana” – diz-nos Jillian Michaels (How to build an exceptional life), por isso se pensar que pode escapar ao medo, deixe essa ideia de lado.
O que devemos fazer, o truque, é não ignorar o medo, mas sim enfrentá-lo e aproveitar e ler a mensagem que eles nos trazem e olhá-los como um incentivo à acção.
“Somente encarando os seus medos abertamente poderá beneficiar das lições valiosas neles contidas e seguir em frente ainda mais forte” – Jillian Michaels.
O medo pode levá-lo directamente ao pânico, à confusão. Pode paralisá-lo e destruí-lo, ao ponto de suscitar aquilo que há de pior.
Ou poderá levá-lo à “clareza e entendimento” e  tornar-se na sua maior fonte de motivação, estimulando-o a vencer os maiores obstáculos.
“Um dos maiores triunfos da vida, é, sem dúvida, aprender  a deixar que o medo traga clareza à vida, ao invés de loucura,….., e isso está nas suas mãos” – Jillian.
 E como devemos usar o medo para nos tornarmos mais fortes?
Sendo suficientemente corajoso e olhar dentro de si próprio. Analisar os porquês dos medos, interrogar-se sobre os seus sentimentos e emoções, sobre a origem das inseguranças que levam a ter medo, saber comunicar as suas necessidades, ver as alternativas que estão na mesa e ver sempre o lado positivo.
A isto chama-se gerir o próprio medo. Por que o medo mal gerido poderá fazer com que se feche em si mesmo e impedi-lo de encontrar o caminho da felicidade que tanto merece.
Gerindo o próprio medo, leva-nos ao caminho mais temido – o da mudança.
A mudança é talvez o nosso medo mais destrutivo e é exactamente aquele que devemos enfrentar. 
É o que no fundo mais desejamos….Mudar!
Apesar de todos mais da vida e o estarmos constantemente a evocar, tememos tudo o que nos possa levar para território desconhecido.
Todos nós queremos um melhor emprego, ganhar mais dinheiro, mais amor, mais amizades, uma vida mais folgada, mais liberdade, ser bem sucedido etc.,etc.,etc., mas na verdade quase nada fazemos para o conseguir…..exactamente com medo da mudança.
“E quando resistimos à mudança, tememos tudo…..e impede-se a si mesmo de evoluir. Na verdade o medo é um indicador de que está no caminho da mudança, portanto ele faz naturalmente parte da sua jornada de vida” – Jillian.
Avançar rumo ao desconhecido é abrir-se a novas possibilidades. Se conseguir vencer o medo e libertar-se das situações que o provocam, estará a abrir o espaço emocional dentro de si para olhar para novas oportunidades, deixando, assim, de ficar paralisado com o medo.
Se conseguir dominar o medo, poderá, por conseguinte, procurar outras soluções, outras oportunidades e acabará por as encontrar.
Portanto, não fuja dos seus medos, porque se o fizer acabará por esbarrar contra a parede e não vai chegar a lado nenhum.
Eu abri-me a infinitas possibilidades quando decidi enfrentar o que me estava a incomodar.
Decidi enfrentar o medo da Mudança, exactamente aquele que eu mais temia, e como que por magia, tornei-me mais forte.
E quando aprende a enfrentar o medo, torna-se mais forte e mais poderoso.
Um abraço
Luísa de Sousa

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Uma semana de lazer




Desde já desejo-lhe uma excelente semana.


Esta semana eu "não trabalho"!


É a semana dos exames nacionais, logo a minha filha não vai à escola quando decorrem estes exames.


E eu fico em casa com ela!


Existe alguma coisa melhor? Poder ficar em casa com quem mais amamos.....fazer programinhas com os nosso filhos?




O meu dia vai ser assim...estar com as minhas filhas, passear, aproveitar todo o tempo com elas.


E quando digo que não "trabalho"  digo-o entre aspas, porque desde que comecei neste projecto, não encaro o meu dia-a-dia, como dias de trabalho.



Porquê que não encaro o dia-a-dia como dias de trabalho?


·         Porque gosto muito do que faço.


·         Porque posso trabalhar em qualquer lugar, o que me permite uma liberdade enorme.


·         Porque não tenho horários para cumprir.


·        Porque há uma grande parte do negócio que funciona em automático e  não preciso de estar colada ao computador.

·         Porque posso estar em família e trabalhar ao mesmo tempo.


·         Porque posso viajar pelo mundo inteiro e o negócio não pára!


·     Porque senti-mo abençoada por poder orientar e ajuda a minha equipa a conquistar os seus resultados.


·    Porque o que ganho recompensa (e muito!) todas as responsabilidades inerentes a este negócio.





Claro que há responsabilidades!



Tenho uma equipa para orientar, afiliados que se inscreveram recentemente e necessitam da minha ajuda nos primeiros passos,estou sempre disponível para responder aos contactos e para dar as boas vindas aos novos elementos.


Porque estou comprometida com o sucesso de toda a minha equipa.



Mas isso é tudo feito Online, via Skype, logo não necessito de um horário definido para estar a trabalhar.


Também posso ensinar-lhe e orientar-lhe para que tenha os mesmo resultados ou mais do que eu, o mesmo estilo de vida e a ter excelentes resultados, nos próximos meses.



Mas para isso você tem que ter alguns requisitos:


·         Ser uma pessoa determinada, com objectivos bem traçados


·         Ser trabalhadora dedicada


·         Nas horas que se dedicar ao negócio fazê-lo com o foco total


·         Ter humildade em aprender e seguir as nossas instruções


Se tiver estes factores e quiser fazer parte da nossa equipa, poderá....







Adicione-me ao Skype para alguma dúvida que tenha: luisadesousa11


Espero por SI!


Um abraço 
Luísa de Sousa


Declarações de Rendimentos nesta mensagem.
De forma nenhuma são garantidos rendimentos de qualquer espécie.
Todos os exemplos apresentados são reais e comprováveis e estão aqui como ilustração do que é possível.
Os rendimentos médios estatísticos estão publicados em tempo real no rodapé de todas as páginas do site.
Acreditamos que poderás também atingir grandes resultados e que farás as escolhas mais acertadas para viveres uma vida fantástica. Consulte os rendimentos médios em: www.empowernetwork.com/income





sexta-feira, 15 de maio de 2015

A preocupação não serve para nada…….então, como evitar?




Quando falamos de preocupação,  estamos a falar não só das atitudes para connosco próprios, como também as nossas atitudes em relação à vida e ao mundo que nos rodeia.
Falo essencialmente qual a nossa atitude quando a vida nos apanha desprevenidos?
Quando alguma coisa menos boa nos acontece?
Escolhe aprender com isso e ganhar mais discernimento e clareza?
Ou permite que isso o esmague, vendo na derrota uma confirmação da sua própria incapacidade?
Para aprender a saber lidar e a transformar as nossas atitudes negativas não se limita à nossa visão interior, também devemos olhar e examinar com clareza e honestidade de que forma as nossas atitudes exteriores nos estão a condicionar.
É possível aproveitar uma situação de adversidade e transformá-la numa oportunidade de sucesso?
Sim…..e….
Transformar a nossa atitude interna e modificar a nossa forma de ver o mundo, tornando-nos resistentes e aptos a enfrentar qualquer fracasso, derrubar medos e obstáculos e superar os contratempos.
E o que nos impede de ter atitudes internas e externas com clareza?
Uma delas é a Preocupação Excessiva..
Diga-me com sinceridade! O que é que a preocupação e o stress que lhe segue trazem de positivo?
Não fazem mais do que piorar todas as situação. A ansiedade que vem junto com a preocupação é inútil, não serva para nada,  excepto para nos retirar energia valiosa que podia estar a ser aproveitada para olhar com clareza e criar uma nova situação.
E como evitar que  a preocupação não nos ameace?
Concentrando-se no presente!
Sim, concentrar-se exclusivamente o momento presente.
Muitas vezes quando nos preocupamos em demasia e com isso nos descontrolamos, é porque tememos que determinada coisa nos aconteça futuramente. E, em muitos casos, a antecipação é mais assustadora doa que a realidade.
E preocupa-mo-nos muitas vezes com algo que nunca chega a acontecer, mas se por acaso acontecer, não há preocupação prévia que possa ajudar. 
Quando começar a se sentir ansioso, pergunte-se como é que estão as coisas realmente neste preciso momento.
Tem saúde?
Tem emprego?
Tem uma família que o adora?
Tem um montão de amigos?
Está a aguentar-se financeiramente?
É claro que acontecem coisas mais, e não deve entrar em estado de “negação cega” dessa possibilidade.
Deve, sim, planear com antecedência e tomar as precauções necessárias para se salvaguardar a si próprio e às pessoas que o rodeiam e ama.
Mas não pode permitir, de forma alguma, que problemas que ainda não existem estraguem a sua vida e o impeçam de viver bem o seu dia-a-dia.
Não se permita “sofrer com antecedência”.
E se por acaso uma situação negativa ocorrer, tentará resolvê-la da forma mais produtiva possível, mas até lá viva o momento e concentre-se nas suas tarefas actuais.
Eu era uma preocupada “compulsiva” até que vi a minha saúde não só psíquica, como física, familiar e social a degradarem-se lentamente.
Porque me preocupava exageradamente com situação que me estavam afazer afundar-me cada vez mais.
Preocupava-me com as contas ao fim do mês.
Preocupava-me com o trabalho árdua que vinha exercendo.
Preocupava-me com A,B e C….
E quando planeei muito bem tudo o que queria para a minha vida, tudo aquilo que ambicionava, deixei de lado tudo o que me estava a degradar….entre elas um emprego mal pago, onde não era reconhecida pelo meu valor académico e decidi deixar de me preocupar e agi…..tomei a melhor decisão da minha vida.
Ponderei tudo à letra e decidi. 
Agora só me preocupo com o presente, vivo muito bem sem noites de insónia e sem pressão arterial elevada, mãos suadas e dores de cabeça tensionais.
Estou a ter a vida que eu sempre quis….
Se queres aceder à minha newsletter deixa aqui o teu email
Um abraço
Luísa de Sousa