quarta-feira, 22 de julho de 2015

Desperte a criança que já foi!



Ser adulto não significa perder aquele entusiasmo genuíno e espontâneo que tínhamos quando éramos crianças.
Para dar “mais colorido à vida” é preciso recuperar a criança que temos ainda dentro de nós.
Quem não se lembra das férias “grandes” onde as únicas preocupações eram como divertir-se e explorar o mundo à nossa volta.
E raramente censurava-mos os pensamentos e acções.
Mas, conforme vamos crescendo, a sociedade “exige” que se esqueça a criança que um dia fomos.
São muitas as razões que levam a que as pessoas (especialmente as mulheres) percam uma boa parte do seu “eu interior” à medida que crescem.
Durante a adolescência, com as mudanças físicas e psicológicas próprias da idade, que modificam a nossa forma de ser e estar, ainda temos de nos “encaixar” numa sociedade que nos pressiona a sermos perfeitos em tudo o que fazemos, muitas vezes, obrigando-nos a “sacrificar” o nosso eu verdadeiro para atingirmos certos objectivos.
Por exemplo, é provável que “tenha silenciado” uma faceta mais louca e inconveniente da sua personalidade para ser aceite pela maioria dos colegas – os seus pares. Ou para agradar aos pais, professores e outros familiares.
Somos “socialmente educados” para agradar, e é por que os adolescentes aceitam muitas vezes “transformar-se” naquilo que os outros querem que eles sejam.
Quando crianças, perdíamos horas a fazer o que gostávamos só pelo prazer que isso nos dava, mas à medida que crescemos e nos tornamos adultos, ficamos muito mais ocupados e acaba por “negligenciarmos” o que nos fazia felizes. Aquelas brincadeiras divertidas com os nossos irmãos, primos, amigos perderam-se e torna-mo-nos mais tristes.
E a vida vai ficando mais “negra”, sem piada, sem jeito, tudo sempre igual, de manhã à noite e muito amargos….
Talvez esteja na altura de “recuperar a criança que está perdida dentro de si”, e moldá-la com a sabedoria da pessoa crescida em que entretanto se tornou.
Isto não quer dizer que se retroceda no tempo e que a partir de agora faça todas as traquinices e maluquices infantis, mas que tente aperceber-se da alegria genuína e espontânea que “perdeu pelo caminho” e recupere alguma alegria e colorido à sua vida.
Descubra como fazê-lo em 3 Passos simples ( Marta Torres, Cosmopolitan nº 204):
1 – Analise o passado – Lembre-se do que gostava de fazer quando era criança, nas férias intermináveis do verão. Se olhar para criança que já foi e a comparar com a pessoa que é hoje, talvez seja mais fácil perceber do que sente mais falta.
Preste especial atenção ao que lhe desperta sensações do estilo “tenho tantas saudades de” …… e o que “o deixa ansioso por recuperar essa característica perdida” . Só assim conseguirá incluir um pouco do passado na vida de hoje. Falar com amigos de infância, que lhe avivem a memória, também pode ajudar neste processo de auto descoberta.
2 – Recupere paixões – Se ou seu sonho em miúdo era escrever um livro, ser bailarino, pintor ou pasteleiro, talvez seja difícil abdicar do que faz hoje para se dedicar exclusivamente ao seu sonhos, mas pode sempre inscrever-se num curso ou fazê-lo como um hobby. O truque é ser pro-activo e criativo, pois a única maneira de seguir e recuperar essa “paixão antiga” é arriscar e seguir o seu instinto. Experimente associar-se a um clube onde o tema seja o seu “sonho”, até mesmo online através da Internet, assim poderá conviver mais de perto com ele.
3 – Pense mais em si – Lembre-se que trazer de volta alguns elementos da sua personalidade pode ser desconfortável para familiares, amigos e colegas. Podem mesmo achar que está a regredir e a precisar de uma consulta psicológica, ou mesmo que é uma perda de tempo dedicar-se a algo que gostava e que entretanto descobriu que adorar fazer. Mas que nada disto o impeça. Independentemente das expectativas dos outros em relação a si, não deixe que o inibam de fazer o que precisa para se sentir feliz.
Lembre-se que, apesar da sua família e amigos quererem o melhor para si, é você, melhor do que ninguém que sabe o que o faz sentir-se autêntico.
Vamos fazer um teste e ver se está na hora de recuperar a criança que já foi.
1 – Dá consigo a concordar com o que os outros dizem só para não chamar a atenção?
2 – Sente muitas vezes que não está a ser você mesmo?
3 – Costuma colocar os desejos e necessidades dos outros à frente dos seus?
4 – Quando andava no secundário “ser aceite” era importante para si?
5 – Segue o que os outros fazem só para não causar polémica?
6 – Olhando para trás, tentou esquecer mais do que um dos seus “grandes sonhos” de criança só porque em adulto os considerou pouco realistas?
Se respondeu sim a 1 ou mais das perguntas acima é hora de “tirar da gaveta” aquelas “garotices” que fazia em pequeno e aproveitar a época de férias e colocar algumas em prática.
Vai valer a pena!!!!
Um abraço
Luísa de Sousa

segunda-feira, 20 de julho de 2015

8 dicas para atrair boas energias



Tal como uma esponja, absorvemos tudo o que nos rodeia.
Logo, muitas das decisões que tomamos são influenciadas pelo que se passa à nossa volta, pelo nosso ambiente…..mesmo que não nos demos conta disso.
Então como evitar que o exterior interfira de forma negativa nas nossa decisões e provoque estragos na nossa vida?
Como ser um íman de boas vibrações?
Como usar o poder da mente e ser mais feliz?
A “nossa mente e sentidos são permeáveis e deixam-se tocar por tudo o que os estimule directamente” – Mariana Lago (Cosmopolitan)
Segundo o neurologista norte-americano Richard Restak,  as emoções negativas exercem uma influência muito maior que as positivas. Isto é consequência de “um fenómeno conhecido como contágio emocional, em que forças externas (música, espaços físicos, cheiros….) e pessoas com más energias são verdadeiramente atentados contra o nosso equilíbrio mental, físico e emocional” .
E muitas vezes nem nos damos conta de que isso acontece.
Vamos, então, “munir-mo-nos das melhores armas” para  neutralizar as más energias e as más vibrações e conseguir atrair tudo o que nos permita levar uma vida mais agradável, harmoniosa e feliz ( Mariana Lago, Cosmopolitan, ano 16, nº 204).
1 – Estimule os ouvidos - As mensagens negativas da música, dos noticiários, dos colegas, familiares e amigos, podem ter consequências profundas sobre os seus pensamentos e determinar a forma como vai agir. Canções, informações e discursos com frases, palavras, informações sobre fracassos e desilusões actuam como “mantras” e penetram o subconsciente, que segundo os cientistas, impulsiona cerca de 80% do que fazemos. Invista em músicas, informações, conversas positivas para se manter sempre estimulado e feliz.
2 - Ofereça prendas a si mesmo ou comemore sempre alguma coisa – Segundo um estudo publicado no Journal of Consumer Research, comprar algo que realmente deseje, ou comemorar algum feito, vai deixá-lo feliz por muito mais tempo do que comprar apenas o que necessite. Oferecer um presente a si mesmo ou comemorar algo, “estimula as endorfinas e vai dar-lhe um grande impulso de felicidade”.
3 – Veja mais comédias - Assistir a um filme divertido, mesmo durante 15 minutos, é bom para o sistema cardiovascular. Também está provado que libera enforfinas, os calmantes naturais que existem no organismo. Investigações recentes também sugerem que imagens atraentes (lugares paradisíacos, pessoas atraentes), activam os centros de prazer. Ao olharmos para uma imagem agradável o “sistema nervoso simpático e parasimpático sincronizam-se” o que provoca uma reacção agradável e prazerosa. Isto significa que receberá uma dose instantânea de felicidade sempre que olha para algo que goste.
4 – Fuja dos pessimistas – Quando alguém faz um gesto hostil, aqueles que estão por perto têm mais tendência a imitá-lo, mesmo que inconscientemente. Isso poderá explicar “alguns fenómenos de massa” e todos corremos o risco de reagir com atitudes que até a nós próprios parecem inadequados. “A raiva e a ira” são as emoções mais contagiosas”. Quando alguém se relaciona com uma pessoas ressentida ou irritável, fica mais exposta a sofrer essas emoções (Steven Stosny). Tenha consciência das suas atitudes e não se deixa influenciar pelos outros. Escolha melhor as pessoas com quem se relaciona porque podem influenciá-lo mesmo contra a sua vontade. Já diz o velho ditado “diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és!”.
5 - Seleccione o que come - Embora pense que selecciona no máximo 15 alimentos e bebidas por dia, na realidade toma mais de 200 decisões alimentares, muitas delas automaticamente, influenciadas pelo ambiente onde está inserido, como as que têm a ver  com o tamanho do prato, a quantidade de bebida que o copo leva, o  lugar onde come e com quem. Isto significa se o colega que o costuma acompanhar nos almoços é um glutão, é provável que a roupa comece a ficar-lhe apertada. Por isso, da próxima vez que foram almoçar peças entradas separadas e dividam o prato principal. Se ele discordar da sua estratégia, o melhor é procurar outra companhia para as refeições.
O lema é usar a comida para se sentir bem  e estimulado em de vez de o fazer apenas para saciar a ansiedade. É bom consumir alimentos ricos em triptofano, como ovos, peixe, nozes, amêndoas, bananas e alface. Este aminoácido facilita a síntese e libertação de serotonina, a hormona  que se encontra no cérebro e que é responsável pelas nossas sensações de felicidade e bem-estar, dois dos melhores e mais eficazes antídotos contra o stress.
6 – Contacte  a natureza – Adapte desde já um novo “mantra” diário, como “verde ue te quero verde!”. Entrar em contacto com  a natureza e com o verde, irremediavelmente unidos à primavera, pode ajudá-lo a melhorar o seu estado de espírito. Esta cor actua sobre a depressão e a vista cansada, além de proporcionar doses extra de harmonia e empatia. Além disso, contemplar a natureza reduz o stress e a ansiedade, e ajuda a diminuir a tensão arterial. Sentar-se  a observar a beleza das flores também pode ajudá-lo a manter uma perspectiva positiva diante das situações. Vários estudos científicos provam que  as flores efeitos agradáveis no nosso estado de espírito e que algumas cores ajudam até a levantar a moral.
Nos dias que sente que acordou com uma “nuvem negra” a pairar sobre a sua cabeça, apanhe um pouco de sol: o seu cérebro segregará serotonina e desta forma a ansiedade diminuirá e será mais fácil ficar bem-disposto.
7 - Ande mais devagar, por favor – Até a forma como caminha pode ser contagiosa. Um estudo mediu o tempo que os habitantes de diferentes pontos do mundo demoravam a percorrer 18 metros. Em todos os países se caminha mais depressa que há 20 anos atrás. Você caminha “voando” para chegar ao trabalho e corre no final do dia para chegar a casa. Tire um tempo para olhar para a paisagem, para as pessoas, para a natureza, para si ou para passear bem devagar. Se necessário, levante-se um pouco mais cedo para depois não andar a 200 à hora. É a sua vida que está em jogo e você merece desfrutá-la ao máximo.
8 – Use o poder da mente – Regra geral, as nossas emoções são consequência directa dos pensamentos que também podem ser provocados por algum tipo de situação que nos cause desconforto. Quando acreditamos que está prestes a acontecer algo que nos desagrade, o cérebro revive esse episódio, mesmo que não esteja na realidade a acontecer. Ao antecipá-lo, os nossos medos tornam-se reais. Por outras palavras, a mente pode ser um íman de boas ou de más energias. Você é que decide! Os sentimentos de calma e paciência transformam-se em acções positivas e, por vezes, o que parece adverso pode ser uma oportunidade escondida.
Como recuperar a calma?
Trazer à mente a imagem de alguém querido baixará a pressão arterial a ajudará a acalmar-se.
Por último experimente este exercício: pense numa frase curta, como “estou em paz absoluta”, e repita-a, lentamente, durante 30 segundos várias vezes ao dia.
Repetir palavras tranquilas ajuda a baixar a pressão arterial, a desencadear o pulso e a relaxar mentalmente.
Espero que tenha gostado
Um abraço
Luísa de Sousa

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Sabe gerir as emoções e pensar positivo?



“A ciência considera as emoções não como atitudes inatas,
mas como atitudes a adoptar conforme a situação exige”
(Woman´s Health, Março/Abril, 2015).
Esta é uma revelação e uma reviravolta em tudo o que vínhamos pensando até agora sobre emoções.
Será que ser pessimista ou optimista é mesmo um estado que escolhemos?
Sim, sim, e sim……eu sempre defendi que nascemos como “uma tábua rasa” e que vamos adquirindo as nossas bases tendo em conta o nosso ambiente e interacções sociais.
E que temos a capacidade de colocar ou tirar “as lentes cor de rosa” dependendo das situações.
E é aqui que entra a Psicologia Positiva, uma abordagem centrando-se no melhor de cada pessoa.
Após décadas em que a psicologia apenas se centrou em patologias e nos comportamentos “anormais”, surge uma nova forma de olhar e pensar  nas coisas que fazem com que a vida valha a pena, dando ênfase às qualidades das pessoas e na promoção do seu funcionamento positivo.
O autor pioneiro desde campo é Martin Seligman, partilhando a crença de que as pessoas querem levar uma vida satisfatória e mais significativa.
A Psicologia Positiva tem 3 preocupações centrais: emoções positivas, traços individuais positivos, instituições positivas.
As emoções positivas estão relacionadas à satisfação com o passado, a felicidade no presente e a esperança no futuro.
A compreensão positivas dos traços individuais, “implica estudar as forças e virtudes como a capacidade de amar e trabalhar, coragem, compaixão, flexibilidade, autocontrolo, curiosidade, integridade, auto-conhecimento e sabedoria” (Dr. F. Magalhães, 2015).
Na compreensão das instituições positivas, implica o “estudo das forças que promovem melhores comunidades, como a justiça, educação, saúde, ética e tolerância no trabalho” (Dr. F. Magalhães, 2015).
Podem, então, os estados de felicidade e satisfação serem controlados por nós?
Segundo a Psicologia Positiva, sim.
A Dra. Catarina Rivero fala-nos da Psicologia Positiva e refere que nas últimas décadas os estudos desenvolvidos um pouco por todo o mundo “trazem-nos pistas para um bem-estar a nível macro e micro, verificando-se que as pessoas que se sentem mais satisfeitas com as suas vidas, tendem a cuidas das suas rotinas, planeando actividades que tenham significado e lhes tragam emoções positivas, mantêm-se activas no dia-a-dia, tendem a criar e manter mais relações interpessoais positivas, com maior tolerância, demonstrando mais gratidão, e a viver o dia-a-dia numa perspectiva mais apreciativa, valorizando os detalhes positivos e aproveitando oportunidades para fazer acontecer mais desses bons momentos”.
Vamos então aprender a pensar positivos?
Eis algumas dicas de como o fazer segundo Tânia Alexandre (Woman´s Health, março/abril, 2015):
1 - Medite – Pratique a meditação e técnicas de relaxamento diariamente.
2 - Registe os seus momentos positivos – Escreva, ao final de cada dia, três momentos positivos que tenham acontecido, durante pelo menos uma semana.
3 - Ria-se de si próprio e ria com os outros – Mantenha o nível de sentido de humor positivo no seu dia-a-dia (que não o sarcasmo ou o humor destrutivo).
4 – Seja grato – Escreva cartas de gratidão a pessoas que tenham sido importantes na sua vida, leia e entregue pessoalmente.
5 – Seja fiel aos seus valores – Escreva os valores fundamentais da sua vida e procure viver o dia-a-dia em concordância com os mesmos.
6 - Conviva com os outros – Mantenha rotinas relacionais com pessoas relevantes para si (amigos, familiares).
7 – Tenha hábitos saudáveis – Pratique exercício físico (caminhadas, yoga, pilates, etc.) e durma o número de horas satisfatório.
8 - Planifique – Planeie a rotina do dia-a-dia, integrando actividades gratificantes e com significado.
“Ser optimista pressupõe encarar a realidade numa perspectiva de busca de soluções e possibilidades de optimização das circunstâncias” – Catarina Rivero.
Portanto, quando enfrenta alguma adversidade, mais do que adoptar um sentimento de desesperança, vitimização ou centrar-se no problema, causa ou culpados, deverá passar o foco para a solução, para a meta e objectivo desejados, procurando sempre os pontos de melhoria para aprender futuramente.
Um abraço
Luísa de Sousa


segunda-feira, 13 de julho de 2015

Sentes-te feliz quando te levantas para ir trabalhar?



Como saber se estás feliz no teu trabalho?
Segundo um estudo realizado pelas Universidades de Stanford, Harvard e Claremont (USA), uma pessoa feliz no trabalho, ou com aquilo que faz, pode ser um trabalho fora de casa ouTrabalho a Partir de Casa, é aquela que faz o que gosta e, ao mesmo tempo, aquilo em que realmente se destaca, ou seja, estáapaixonada pelo que faz, de acordo com as suas preferências e aptidões.
Mas, de acordo com Daniel Goleman (Foco), na maior parte do tempo estamos stressadosangustiados, aborrecidos e com a sensação de que não estamos felizes e realizados.
Com a falta de emprego que existe actualmente em Portugal, quase que nem nos podemos dar ao luxo de sonhar com a nossa carreira de eleição, que estudamos e investimos anos, tempo e dinheiro na nossa formação.
Até atrevo-me a dizer que “somos obrigados” a aceitar o que quer que seja, com um salário miserável, porque escasseiam os empregos, e, temos de sobreviver.
Então, o que fazer?
Definhamos no emprego?
Procuramos outras oportunidades?
Continuarmos infelizes diariamente?
Sim, devemos sempre procurar outras oportunidades, elas até podem estar à nossa beira…..devemos sempre continuar a procurá-las e nunca desistir do nosso sonho, daquilo que realmente queremos fazer na vida e com a nossa vida.
Afinal a nossa felicidade depende daquilo que fazemos todos os dias, e o nosso trabalho absorve 7/8, senão mais horas do nosso dia.
Então o que fazer enquanto não chega aquela oportunidade que nos vai fazer sair desta má energia?
Para estar bem no teu local de trabalho (isto também se aplica a quem Trabalha a partir de Casa), e não te deixares levar pelas más energias que debilitam o teu dia-a-dia e estares com o ânimo em alta ao longo do teu dia aqui vão alguns conselhos para adoptares imediatamente (segundo Dália Bonet, Woman´s Health, 2014-2015):
1 – Corrige a tua Postura – De acordo com a Autoridade para as Condições do trabalho (ACT), as posturas incorrectas, cada vez mais frequentes no nosso dia-a-dia, sobrecarregam a coluna cervical, dorsal e lombar, tornando-se mais vulnerável a lesões, eventualmente graves, dando origem a uma “progressiva diminuição da nossa capacidade para o trabalho e aumentando o risco de desconforto e da dor, contribuindo também, para uma maior taxa de absentismo por doença”.
Então o que fazer?
Fazendo diariamente cerca de 1 hora de exercício físico. As modalidades que mais ajudam a prevenir estes problemas posturais são o Yoga, Pilates e Tai Chi Chuan.
Durante o teu dia no trabalho, evitar estar mais de 1 hora sentado na mesma posição, fazendo pequenos movimentos para aliviar a postura. A última moda, e que eu utilizo no meu Trabalho a Partir de Casa, é a utilização das Fitballs para substituir as cadeiras. Isto permite-me estar sempre em movimento, com uma postura alinhada e correcta, aumentando, assim, a flexibilidade e a tonificação dos abdominais e das pernas, estando em constante movimento, combatendo o sedentarismo.
- Diz adeus ao Stress – A maior parte das vezes exigimos o máximo de nós mesmos. E, de acordo com um estudo da Comunidade de Madrid (Espanha), o “stress é como uma patologia laboral que tem especial incidência no sector dos serviços”, sendo maior o risco em funções mais exigentes, especialmente aqueles que têm contacto directo com o público: comerciais, pessoal de saúde, atendimento, etc.
Para diminuir o stress provocado pelo trabalho, tenta cumprir o teu horário, não fazendo horas extra e não leves trabalho para casa. E sobretudo, reflecte sobre a verdadeira importância do trabalho na tua vida. Não tens mais nada além do trabalho? Família, amigos, lazer?
- Respira Fundo e Sai – Quando chega a hora de sair seja para o almoço, lanche ou saída ao fim do dia, fecha o computador, desliga tudo, respira fundo e sai. Isto aplica-se àqueles que têm por hábito não sair para as refeições e ficam a comer à frente do computador.
Deixa a tua mesa de trabalho – isto aplica-se  também a quemTrabalha a Partir de Casa – estica-te, agradece mais um dia produtivo, respira fundo e sai, nem que seja para apanhar ar. Afasta-te, nem que seja por 15 minutos (lanche), que só não vão ajudar a recarregar baterias, como vão melhorar o teu humor.
Sabias que os portugueses são o povo da Europa que mais sofrem no trabalho?
50% da nossa população sofre de stress no trabalho ( Agência Europeia para a Segurança no Trabalho).
Vamos fugir deste número?
Felizmente eu já não faço parte dele.
Um abraço


Luísa de Sousa

domingo, 12 de julho de 2015

MBNet - Para que serve e como usar!



MBNet é um serviço disponibilizado pelo sistema bancário nacional e é a forma mais segura para fazer as suas compras pela Internet, por telefone ou por e-mail.
Para isso, basta ter um cartão American Express, MasterCard ou Visa e aderir numa caixa multibanco ou mesmo no seu banco online.
O QUE É?
O MBNet é nada mais do que um cartão de crédito virtual e pode ser usado com total segurança em qualquer compra online nacional ou estrangeira.
Ao criar o seu cartão MBNet o sistema reproduz os dados do seu cartão de crédito de modo a que os dados do seu cartão real nunca fiquem disponíveis na transacção.
COMO ADERIR?
Numa caixa multibanco ou no seu homebanking, coloque o seu cartão, digite o código e escolha a opção “Serviço MBNet”.
De seguida, escolha um código secreto.
Posto isto, será indicado no ecrã ou por sms, como preferir, os dados do seu cartão MBNet.
Por fim, indique o valor máximo de compras por dia.
Terminada a operação, será impresso um talão com a sua identificação e o valor máximo de compras por dia.
Sempre que precisar de um cartão temporário, ou seja, sempre que fizer uma compra, deve aceder à página MBNet para o criar.
Para aderir no seu banco online, siga os passos indicados na página.
De momento, os bancos aderentes ao sistema MBNet são:
  • Activobank;
  • Banco Popular;
  • Banco Santander Totta;
  • BANIF;
  • Barclays;
  • BEST;
  • BIG;
  • BPI;
  • Caixa Geral de Depósitos;
  • CCAML;
  • Millennium BCP;
  • Montepio;
  • Novo Banco;
  • Unicre.

COMO FUNCIONA?
Sempre que aceder à página MBNet para gerar um novo cartão temporário é-lhe atribuído um número de cartão, uma data de expiração, um código de segurança CVV2/CVC2 e tem que definir um valor máximo para a compra.
Existem dois tipos de cartões temporários: o tradicional e o multi-utilização.
O primeiro tem uma validade máxima de dois meses, e permite apenas quatro transacções, independentemente do comerciante.
O segundo tem uma validade até doze meses, sendo possível todas as transacções que precisar, desde que o total das transacções não exceda o valor indicado, e que sejam o comerciante seja sempre o mesmo.
Tenha em atenção que o valor limite máximo definido para cada cartão não pode ser ultrapassado, por isso, antes de criar o seuMBNet faça bem as contas a eventuais despesas de envio ou de câmbio.

VANTAGENS
  • Seguro: nunca mais vai precisar de colocar os dados do seu cartão de débito ou de crédito online!
  • Universal e abrangente: pode pagar com o MBNet em transacções nacionais ou internacionais, sejam os comerciantes ou não aderentes do sistema MBNet.
  • Fácil: basta aceder ao site, gerar um cartão e em segundos pode começar as suas compras.
Na Empower Network, para efectuar as comprar dos cursos /formações e  subscrições mensais utilizamos o MBNet (para os que estão em Portugal.
É a forma mais segura e fácil de efectuar as transacções.


Um abraço
Luísa de Sousa
 Texto retirado da revista online E-Konomista (Oliveira, 2014).

terça-feira, 7 de julho de 2015

Deixa de estar acorrentado aos Medos!



Sempre gostei desta história que me contaram quando era pequena e que é verdadeiramente representativa do que eu chamo “estarmos acorrentados” na nossa própria vida, aos nosso medos.
“Um pai e o seu filho pequeno vão ao circo. O filho vê um elefante enorme e velho preso com umas corrente finas e enferrujadas. Virando-se para o pai pergunta:
- O elefante não é suficientemente forte para se libertar daquelas correntes?
- Claro que é – responde o pai. Mas ele tem vivido assim acorrentado desde pequeno, quando era fraco demais para conseguir libertar-se, e agora não percebe a diferença”.
Para deixarmos de estar acorrentados e mudarmos as nossas vidastemos de ter consciência de que o que temos actualmente não nos satisfaz e teremos que mudar o nosso comportamento.
Pena que só tomamos consciência de que como estamos não interessa, quando estamos bem lá no fundo do poço.
Vamos-nos afundando diariamente sem termos consciência e quando já não dá para suportar mais é quando nos queremos erguer.
Até aqui tudo bem…..
Se estivermos bem no fundo, onde não se possa escavar mais, e se tomarmos consciência que é necessária a mudança, então iremos MUDAR….
Costumo dizer que nascemos com um problema de fabrico: vamos deixando, deixando, deixando e só quando a situação se torna insuportável é que agimos.
Dizem que para sabermos o que é a felicidade temos primeiro de saber o que é a infelicidade.
Mas o mais importante é que te dês conta da tua situação precária e que queiras MUDAR.
Porque ninguém o poderá fazer por ti….
A grande maioria das pessoas vive uma vida de  “desespero silencioso” (como numa canção dos Pink Floyd) …. “acorrentados” e já nem se atreve a sonhar!
Mas não deveria ser assim.
Não há absolutamente razão nenhuma para que não possas viver os teus sonhos, sejam eles quais forem;
Não há razão para não poder viver a vida que sempre quiseste.
E repara….
Por alguma razão tens sonhos!
São eles que definem o teu propósito neste mundo!
E quando vives acorrentado e com medo dos teus próprios desejos e ambições, perdes a ligação com o teu verdadeiro propósito e com quem tu realmente és.
A vida pode deixar de ter sentido e poderás tornar-te uma pessoa deprimida, triste, infeliz e começarás a interrogar-te que sentido terá a vida!
Mas todos nós temos a capacidade de transformar o sofrimento ou a fraqueza em paz, poder, força, fé, riqueza, saúde, prosperidade e abundância.
Não há objectivo nenhum que estabeleças a ti próprio que não possa ser alcançado
Tens é de procurar a forma de aprender como o alcançar!
Ter a atitude certa!
Ter a oportunidade certa!
Ter o momento certo e AGIR!
Ter as pessoas certas ao teu lado para te encaminhar!
Tudo o que precisas para começar a realizar os teus sonhos é coragem, convicção e fé em ti.
Porque tu tens um potencial ilimitado e poder para realizar tudo o que ambiciones, todos nós o temos, a única diferença é que alguns, muito poucos, já sabem isso e a maioria não.
Portanto, chegou a altura de deixares de viver acorrentado e em “desespero silencioso“…… e vencer: ter saúde ilimitada, riqueza, felicidade, sucesso, prosperidade….
Confesso que eu também demorei algum tempo a reagir….. assumir a responsabilidade da minha vida precária, de viver acorrentada….
Culpava sempre os outros….
E estava ficando cada dia pior….
Sem dinheiro…sem tempo…sem qualidade de vida…sem gostar do que fazia profissionalmente….sem me sentir realizada!
Quando assumi a responsabilidade e confirmei que só eu me estava a sabotar, resolvi sair da minha zona de conforto e mudei….
Deixei de estar acorrentada!
Aqui podes consultar a minha página onde mostro todo o meu processo para a realização dos meus sonhos….
Gostarias de fazer parte da minha equipa?
Eu ficarias muito feliz em poder ajudar-te a “tirar as correntes”que te prendem a uma vida precária!

Um abraço
Luísa de Sousa

domingo, 5 de julho de 2015

Os 10 Mandamentos de Steve Jobs para Empreendedores



Steve Jobs marcou a história do empreendedorismo mundial com toda a sua estratégia para alavancar a Apple ao patamar de empresa inovadora.

Ele seguiu alguns mandamento que todo o empreendedor deveria aplicar na sua vida.

Confira os 10 mandamentos de Steve Jobs para os empreendedores (ou qualquer pessoa) que deseja alcançar os seus objetivos:

1 – Fazer o que gosta – É muito importante, senão mesmo fundamental gostar daquilo que fazemos. Atrevo-me até a dizer “ter paixão” pelo nosso trabalho ou profissão. Afinal passamos cerca de 1/3 da nossa vida desempenhando uma actividade profissional, logo é imperativo que amemos o que fazemos.

2 – Seguir a sua intuição – Sim, ouvir “as suas entranhas” como costuma dizer uma amiga minha. Sempre que tiver que tomar uma decisão, pense se realmente é isso que quer, sinta como se já tivesse tomado essa decisão e veja como se sente. Se se sentir bem….é porque é uma boa decisão. Todos nós temos aquela “luzinha” interior que nos indica se estamos ou não certos, e nos indica se nos sentimos ou não bem com o que fazemos.

3 – Investigar, Observar e Aprender – Quem acha que vai saltar a parte do conhecimento e da formação que esqueça: nunca vai fazer bem o que quer que seja. Mesmo que seja apaixonado e que goste daquilo que faz, sem o conhecimento certo e a formação adequada e específica nunca vai ser bem sucedido. E para aprender necessita de investigar tudo sobre o que é do seu interesse, observar tudo muito bem e olhar de uma forma crítica que só o conhecimento e a formação oferece.

4 – Escolher os melhores – Li algures que as 5 pessoas que nos rodeiam mostram exactamente o que somos, o que aspiramos e o que fazemos.Rodear-se dos melhores, para tirar deles o melhor e se inspirar no melhor, é a melhor forma de aprender.

5 – Arriscar-se pela sua ideia – Mesmo que os outros a achem um absurdo, mesmo que esteja sozinho nessa jornada, se acredita mesmo que a sua ideia vai funcionar, então vá em frente e arrisque. Dê o seu melhor!

6 – Seduzir os seus colaboradores e sócios – Ser empático, saber comunicar, colocar-se no lugar do outro e entender o seu ponto de vista é meio caminho andado para poder contar com a ajuda dos seus colegas e colaboradores.

7 – Manter uma equipa reduzida – uma equipa que possa “controlar” e administrar, para não se perder.

8 – A qualidade como religião – Pense sempre no melhor, em oferecer o melhor serviço, a melhor estratégia, a melhor qualidade de um determinado produto. Procure, após ter terminada uma tarefa,  analisar uma, duas, três vezes e verificar se poderá fazer melhor. Vai surpreender-se com as alterações que são feitas após uma última análise.

9 – Aprender com o fracasso – O fracasso, a derrota é o nosso melhor aliado. Em vez de deitar “a toalha ao chão”, verifique o que causou esse fracasso, os pontos que deve alterar, como deve proceder da próxima vez. Os erros são o melhor ensinamento, porque se os reconhecer, com certeza que não vai falhar na próxima vez.

10 – O momento é agora – Muitas pessoas vão adiando a vida todas uma decisão porque nunca se sentem seguras. Querem muito Mudar de Vida, as Oportunidades passam ao lado e nunca decidem. Pois, quando passa uma oportunidade à sua beira, decida nesse momento. Siga a sua intuição, e decida pelo AGORA.


A melhor decisão que tomei na minha vida para ter a minha Liberdade Financeira e de Tempo para poder fazer as coisas que mais gosto.

Gostaria de estar na minha EQUIPA?

Um grande abraço.
Luísa de Sousa

quinta-feira, 2 de julho de 2015

Como conseguir ver as Bênçãos Disfarçadas?



“Não podes controlar a vida, o que podes
é controlar a forma como lidas com ela”
A maioria de nós acha que pode controlar o mundo.
Que, de alguma forma, com as nossas opiniões, atitudes e comportamento podemos mudar os outros e a forma como são.
Eu também achei que o podia fazer.
Mas não podemos, e quanto mais depressa nos dermos conta dessa fragilidade, mais depressa conseguiremos ver as “bênçãos disfarçadas” que estão à nossa volta.
Mas, além de termos de desenvolver uma certa resiliência, regular eficazmente as emoções é essencial para conseguir gerir saudavelmente a nossa vida e adaptar-se às mudanças e imprevistos que surgirão no nosso caminho.
Porque haverão contrariedades, muitas contrariedades….
Não importa o que fizermos para assumir o controlo….não podemos controlar a vida, o que podemos fazer é controlar a forma como lidamos com ela.
Na verdade, uma grande parte das lutas e dificuldades da vida acontece por boas razões.
chave é encontrar esse lado positivo muitas vezes difícil de vislumbrar.
Será esta a melhor forma de gerir as emoções negativas e as contrariedades?
Não será esta uma atitude de conformismo, resignação às tristezas e à infelicidade que a vida nos depara?
Muitos pensarão que sim!!!!
Afinal seria perder o controlo da situação….
Seria baixar os braços às contrariedades…..
Seria “deitar a toalha ao chão!!!!
Mas não!
Esta abordagem ao lado positivo da vida tem, inclusivamente, um nome científico na área da psicologia: reavaliação cognitiva.
Trata-se de uma “estratégia de coping, que consiste em monitorizar e avaliar pensamentos negativos e substituí-los por pensamentos e imagens positivas”.
E quando “reenquadramos acontecimentos dolorosos ou assustadores de uma forma positiva, reduzimos o seu impacto emocional (stress, depressão, tristeza, etc.)” (Jillian Michaels).
De acordo com esta teoria, “é a forma como pensamos sobre, ou apreciamos, o significado das nossas experiências que nos causaemoções boas e más” (Jillian Michaels).
Na reavaliação cognitiva é colocado ênfase nos aspectos positivos de um evento e retirado ênfase aos negativos.
Esta técnica pode ser aplicada a quase tudo na vida, porque em quase tudo existem prós e contras.
É a procura da Bênção Disfarçada.
Quantos de nós acha que as coisas más só nos acontecem a nós?
Quantos de nós acha que não há volta a dar quando nos acontece uma desgraça?
Quantos de nós tem a coragem de se levantar após uma queda?
A maioria fica chorando as mágoas!
A maioria fica achando que é assim mesmo….faz parte da vida….afinal é normal sofrermos…..é normal ser infeliz…..algures, bem longe, numa dada altura vamos encontrar a felicidade!
A maioria fica de braços cruzados à espera que venham dias melhores!
Mas, como já acima referi, em tudo existe um lado mau….nas também um lado BOM!
E a magia encontra-se exactamente em ver o lado BOM e POSITIVO em tudo o que nos acontece.
Com certeza tem lá uma Lição……uma lição disfarçada….umaBÊNÇÃO DISFARÇADA!
Quando me dei conta de que a minha situação laboral estava um caos, não gostava nada do que fazia, sentia-me angustiada toda a vez que tinha de enfrentar mais um dia de trabalho…..em vez de me resignar e conformar com a situação desgastante que vivia….encontrei a minha BÊNÇÃO DISFARÇADA!
Em vez de pensar que era isso que me estava destinado…..
Pensei que tudo isso de mau que me estava a acontecer era uma forma de ma chamar a atenção para PROCURAR UMA NOVA OPORTUNIDADE……
O MEU PROJECTO ONLINE!
Queres ver como trabalhamos?


Um abraço
Luísa de Sousa