sexta-feira, 15 de maio de 2015

A preocupação não serve para nada…….então, como evitar?




Quando falamos de preocupação,  estamos a falar não só das atitudes para connosco próprios, como também as nossas atitudes em relação à vida e ao mundo que nos rodeia.
Falo essencialmente qual a nossa atitude quando a vida nos apanha desprevenidos?
Quando alguma coisa menos boa nos acontece?
Escolhe aprender com isso e ganhar mais discernimento e clareza?
Ou permite que isso o esmague, vendo na derrota uma confirmação da sua própria incapacidade?
Para aprender a saber lidar e a transformar as nossas atitudes negativas não se limita à nossa visão interior, também devemos olhar e examinar com clareza e honestidade de que forma as nossas atitudes exteriores nos estão a condicionar.
É possível aproveitar uma situação de adversidade e transformá-la numa oportunidade de sucesso?
Sim…..e….
Transformar a nossa atitude interna e modificar a nossa forma de ver o mundo, tornando-nos resistentes e aptos a enfrentar qualquer fracasso, derrubar medos e obstáculos e superar os contratempos.
E o que nos impede de ter atitudes internas e externas com clareza?
Uma delas é a Preocupação Excessiva..
Diga-me com sinceridade! O que é que a preocupação e o stress que lhe segue trazem de positivo?
Não fazem mais do que piorar todas as situação. A ansiedade que vem junto com a preocupação é inútil, não serva para nada,  excepto para nos retirar energia valiosa que podia estar a ser aproveitada para olhar com clareza e criar uma nova situação.
E como evitar que  a preocupação não nos ameace?
Concentrando-se no presente!
Sim, concentrar-se exclusivamente o momento presente.
Muitas vezes quando nos preocupamos em demasia e com isso nos descontrolamos, é porque tememos que determinada coisa nos aconteça futuramente. E, em muitos casos, a antecipação é mais assustadora doa que a realidade.
E preocupa-mo-nos muitas vezes com algo que nunca chega a acontecer, mas se por acaso acontecer, não há preocupação prévia que possa ajudar. 
Quando começar a se sentir ansioso, pergunte-se como é que estão as coisas realmente neste preciso momento.
Tem saúde?
Tem emprego?
Tem uma família que o adora?
Tem um montão de amigos?
Está a aguentar-se financeiramente?
É claro que acontecem coisas mais, e não deve entrar em estado de “negação cega” dessa possibilidade.
Deve, sim, planear com antecedência e tomar as precauções necessárias para se salvaguardar a si próprio e às pessoas que o rodeiam e ama.
Mas não pode permitir, de forma alguma, que problemas que ainda não existem estraguem a sua vida e o impeçam de viver bem o seu dia-a-dia.
Não se permita “sofrer com antecedência”.
E se por acaso uma situação negativa ocorrer, tentará resolvê-la da forma mais produtiva possível, mas até lá viva o momento e concentre-se nas suas tarefas actuais.
Eu era uma preocupada “compulsiva” até que vi a minha saúde não só psíquica, como física, familiar e social a degradarem-se lentamente.
Porque me preocupava exageradamente com situação que me estavam afazer afundar-me cada vez mais.
Preocupava-me com as contas ao fim do mês.
Preocupava-me com o trabalho árdua que vinha exercendo.
Preocupava-me com A,B e C….
E quando planeei muito bem tudo o que queria para a minha vida, tudo aquilo que ambicionava, deixei de lado tudo o que me estava a degradar….entre elas um emprego mal pago, onde não era reconhecida pelo meu valor académico e decidi deixar de me preocupar e agi…..tomei a melhor decisão da minha vida.
Ponderei tudo à letra e decidi. 
Agora só me preocupo com o presente, vivo muito bem sem noites de insónia e sem pressão arterial elevada, mãos suadas e dores de cabeça tensionais.
Estou a ter a vida que eu sempre quis….
Se queres aceder à minha newsletter deixa aqui o teu email
Um abraço
Luísa de Sousa